Desemprego, um problema que não pode esperar
Close

Not a member yet? Register now and get started.

lock and key

Sign in to your account.

Account Login

Forgot your password?

Desemprego, um problema que não pode esperar

20 de nov

Com cerca de 12,5 milhões de desempregados no País, conforme dados do terceiro trimestre de 2018 (julho a setembro), divulgados pelo IBGE, o desemprego encontra-se em um nível bastante elevado. Sem sombra de dúvidas, é um dos grandes problemas que precisará constar na pauta de prioridades da equipe econômica do novo governo. Caso não seja controlado, o desemprego pode provocar reduções no consumo e na produção, agravando ainda mais o drama social de milhões de famílias que dependem exclusivamente da renda do trabalho para pagar suas contas.

Desde o primeiro semestre de 2016, o desemprego atinge mais de 10 milhões de brasileiros. A taxa alcançou o seu auge no primeiro trimestre deste ano, quando chegou a quase 13,7 milhões de pessoas. O elevado número de trabalhadores sem emprego é fruto da recessão econômica iniciada em 2014. Nesse período, as empresas reduziram os investimentos e demitiram milhões de pessoas, mantendo um enorme contingente de desempregados.

Nos setores onde houve aumento na quantidade de vagas, este número refere-se, em sua maioria, a empregos sem carteira assinada, cujo incremento foi de 4,7%, em comparação ao trimestre anterior (abril a junho). Esse cenário demonstra que, na busca por alternativas para sobreviver, muitos encontram na informalidade a única oportunidade de conseguir alguma renda para sustentar suas famílias.

O melhor remédio para reduzir o desemprego é o crescimento econômico. Para isso, será necessário arrumar as contas públicas, criando condições para reduzir ainda mais os juros para o consumidor. Com o aumento do consumo e dos investimentos privados, o mercado de trabalho voltará a se recuperar. Os ajustes nas contas públicas irá exigir também a execução de um conjunto de reformas com destaque para três áreas: a previdenciária, a tributária e a desburocratização da atividade empreendedora. Sem elas, dificilmente criaríamos os alicerces para avançarmos na área econômica.

Ricardo Paixão é presidente do Corecon-ES

Deixe seu comentário